Be220 apresenta o AbigeApp para cúpula da Polícia Civil do RS

A cúpula da Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul conheceu oficialmente o AbigeApp em reunião com os sócios da Be220 no dia 27 de janeiro.

Participaram da agenda virtual

  • a chefe da Polícia Civil, delegada Nadine Anflor;
  • o delegado Heraldo Chaves Guerreiro, diretor do Departamento de Polícia do Interior (DPI);
  • o delegado André de Matos Mendes, coordenador das Delegacias Especializadas na Repressão aos Crimes Rurais e Abigeato (DECRABs).

Diego Vilela, Rafael Abreu e Rodney Silva, sócios da Be220, apresentaram as funcionalidades e os diferenciais do AbigeApp para auxiliar no combate e identificação de crimes de abigeato nos municípios gaúchos.

“Para se ter uma ideia, somente em 2020, os crimes de roubo de gado no Rio Grande do Sul registraram mais de 5 mil ocorrências, segundo dados da Secretaria de Segurança Pública do RS”, afirmou Diego Vilela, diretor executivo da Be220.

abigeapp nadine 1

Após a reunião, a chefe Nadine Anflor manifestou-se em suas redes sociais:

“conhecendo o aplicativo AbigeApp, inteligência artificial ajudando a segurança do campo e facilitando o trabalho policial”.

abigeapp nadine 2

O que o AbigeApp faz?

O AbigeApp permite que as autoridades de segurança locais possam fazer uma consulta em tempo real ao banco de marcas e sinais dos animais.

“Para isso acontecer, será possível desenhar na tela do celular a marca encontrada no couro do animal e chegar até o nome e dados de contato do respectivo criador. O sistema irá procurar no banco de dados e exibirá as marcas mais semelhantes ao desenho feito”, explica Rafael Abreu, diretor de tecnologia da Be220.

Dessa forma, pela marca visualizada no couro do animal, será possível identificar o nome do proprietário rapidamente.

Como estas informações serão privadas e acessíveis somente por autoridades de segurança que sejam permitidas pelo município, será possível disponibilizar o nome, endereço, telefone, WhatsApp, e-mail de contato, propriedades e marcas vinculadas àquele criador.

Com os resultados do aplicativo da Be220 em mãos, será possível identificar rapidamente a qual criador, propriedade e município os animais pertencem e isso irá agilizar a investigação em crimes de abigeato.

“Buscas que envolvem deslocamento de profissionais até outros municípios na tentativa de identificar o responsável pelos animais poderão ser abreviadas em uma ligação por telefone direto ao proprietário para confirmar, por exemplo, se houve registro de desaparecimento de animais da sua propriedade nas últimas horas ou se ele tem conhecimento de uma carga de animais com a sua marca de registro sendo transportada por determinada rodovia naquele dia”, frisa Rodney Silva, diretor de negócios da Be220.

Além do aplicativo para as autoridades de segurança, será disponibilizado o banco de dados em nuvem para a Prefeitura fazer o cadastro de marcas, sinais, criadores e propriedades.

O maior valor do aplicativo está além do banco de dados em nuvem, mas, no cruzamento de dados e o “match” de informações entre o desenho feito pela autoridade de segurança no aplicativo e as marcas registradas.

Isso permitirá identificar rapidamente a qual criador, propriedade e município os animais pertencem e agilizar a investigação em crimes de abigeato.

Entre os resultados que pretendem ser alcançados com o AbigeApp, estão:

  • maior agilidade na investigação de crimes rurais,
  • aumento da rentabilidade,
  • diminuição do prejuízo financeiro dos criadores,
  • otimização de recursos humanos e financeiros dos órgãos de segurança municipais e estaduais.

Como contratar

Cards Be Triplo Stories 04 e1643650195197As Prefeituras podem contratar o aplicativo e o banco de dados pelo site abigeapp.com.br ou pelo email [email protected].

Para o projeto, a Be220 tem o apoio institucional do Instituto Desenvolve Pecuária, da Delegacia de Polícia Especializada na Repressão aos Crimes Rurais e de Abigeato (Decrab/Bagé) e da Prefeitura Municipal de Dom Pedrito.

 

Na mídia

O AbigeApp foi lançado oficialmente nas edições impressa e digital de GauchaZH, em dezembro de 2021. Em matéria exclusiva, a publicação foi feita pela colunista de Campo e Lavoura, Gisele Loeblein.

print zh

“Além disso, já tratamos do aplicativo da Be220 em reuniões na Famurs e com diversas prefeituras gaúchas. Estivemos também no Instituto Caldeira e apresentamos o AbigeApp ao mercado da tecnologia”, conta Vilela.

Confira abaixo, o vídeo do Picth no Caldeira:

compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no email
Compartilhar no whatsapp